Estas Fotografias Deslumbrantes Mostraram Machu Picchu ao Mundo

Em 1913, a National Geographic publicou as primeiras imagens panorâmicas desta cidade ancestral.

Por Nina Strochlic
Fotografias Por Hiram Bingham
ver galeria

Clique na Galeria acima para ver todas as fotografias tiradas por Hiram Bingham.

Há 106 anos, enquanto procurava uma capital inca perdida, o explorador norte-americano de 35 anos Hiram Bingham foi conduzido até ao cume de uma montanha, no vale de Urubamba, no Peru. A zona em que entrou assemelhava-se a uma floresta tropical húmida, mas começou logo a ver muros e outras construções. Os blocos graníticos "encaixavam maravilhosamente uns nos outros, um exemplo do estilo arquitetónico inca mais requintado”, recorda Bingham, dois anos mais tarde, ao relatar a sua história à National Geographic. À medida que a escala daquele lugar com 400 anos se desvendava perante os seus olhos, o explorador apercebeu-se de que "Machu Picchu poderia muito bem ser a maior e mais importante descoberta arqueológica na América do Sul, desde a altura da conquista espanhola."

Antes de abandonar a montanha e as recém-descobertas ruínas que o tornariam célebre, Bingham fotografou Machu Picchu durante quatro horas, com uma câmara Kodak especial. "Iria alguém acreditar naquilo que tinha acabado de descobrir?" disse mais tarde. "Felizmente, nesta terra em que a exatidão dos relatos daquilo que foi visto não é uma caraterística comum entre os viajantes, eu tinha uma boa máquina fotográfica e o sol brilhava no céu."

Bingham tinha conseguido obter o seu equipamento fotográfico por conta da relação que tinha estabelecido com George Eastman, o criador da Kodak. A versão panorâmica daquela câmara só viria a sair para o mercado mais de uma década depois. Contudo, Eastman cedeu-lha, bem como equipamento e rolos fotográficos gratuitos para as suas expedições. Em troca, Bingham comprometeu-se a avaliar a capacidade de a película Kodak resistir e ser revelada em regiões tropicais. As panorâmicas na galeria que ilustra este artigo terão, muito provavelmente, sido tiradas com uma Kodak 3A, uma máquina que tinha sido especialmente redesenhada para tirar panorâmicas de 120 graus, diz Sara Manco, arquivista fotográfica da National Geographic.

Obviamente, Bingham não foi a primeira pessoa a descobrir Machu Picchu. Os agricultores peruanos da região já há muito sabiam e tinham, inclusivamente, visitado as ruínas no cimo da montanha. Mas o explorador foi, provavelmente, o primeiro a fazer o registo fotográfico do local. Acreditando que a fotografia era tão importante como o registo das notas de campo, Bingham fazia questão que todos os membros das suas expedições aprendessem a fotografar e a revelar película antes de cada viagem. Na sua viagem seguinte ao Peru, em 1912, requisitou ainda mais equipamento—três máquinas Kodak especiais, 3500 negativos fotográficos e, pelo menos, dez tripés de madeira. Todo este equipamento viria a ser usado para documentar as escavações das ruínas, incluindo, por vezes, Bingham ou elementos da sua equipa, para se perceber a escala.

Nessa época, um outro homem reconheceu o poder da fotografia para legitimar e popularizar a ciência. Gilbert Grosvenor, editor da National Geographic, cortejou Bingham, e o resultado foi um longo relato acompanhado de 244 fotografias da expedição de 1911 ao Peru, publicadas num número especial da revista, dedicado exclusivamente ao tema, em 1913. As imagens foram também expostas na National Geographic Society, em Washington, D.C. Mais tarde, a Sociedade financiou metade da sua segunda expedição ao Peru, e Bingham e Grosvenor acabaram por se tornar amigos. Desde logo, Grosvenor apercebeu-se da importância histórica do trabalho de Bingham, tendo dado alguns conselhos ao obstinado explorador. Nas suas correspondências, Grosvenor recomenda a Bingham que não trabalhe demasiado, não insulte o governo peruano e, sobretudo, que "não faça nada que o desvie do esplendor da sua descoberta de Machu Picchu. Esta descoberta irá engrandecer com o passar dos anos."

 

Conheça os 10 segredos de Machu Picchu em: http://www.natgeo.pt/viagem-e-aventuras/top-10-dos-segredos-de-machu-picchu  

 

A célebre história de Bingham, "In the Wonderland of Peru", foi publicada na nossa edição de abril de 1913. Poderá lê-la subscrevendo o Nat Geo PLUS, que lhe dará acesso completo e ilimitado aos arquivos da National Geographic, entre outras vantagens.

Continuar a Ler