No Botsuana, encontram-se os maiores leões do Planeta, mas apenas um em cada oito chegam à idade adulta. As crias de leão nascem vulneráveis e fracas, e as ameaças vêm de todos os lados. São precisos anos para aprenderem tudo aquilo de que necessitam para se tornarem num predador ávido e têm de superar muitos desafios para conseguirem sobreviver. Compreender as políticas do grupo é uma primeira lição fundamental. Ao observar e aprender tudo com a família, os jovens leões praticam os movimentos de ataque uns com os outros antes de atacarem as presas. Após alguns anos, tornam-se caçadores fortes e independentes, e ajudam a alimentar o grupo, mas alguns deles têm os dias contados. Quando atingem a maturidade, as fêmeas tornam-se rainhas do grupo e assumem o respetivo lugar ao lado das leoas adultas, mas os machos são banidos e deixam de ser aceites pelo macho dominante. Eles têm de aprender a cuidar de si próprios em terra de ninguém, e a terra de ninguém é um lugar muito perigoso. Fazer parte de uma alcateia dá-lhes a força que não teriam se estivessem sozinhos.  Juntos podem tentar conquistar o lugar num novo grupo, mas só pode haver um rei.