Desesperado por Alimento, Urso Polar Desafia Morsa

Se não conseguir encontrar alimento, um especialista afirma que a cria morreu provavelmente pouco tempo após o vídeo ter sido filmado.

Publicado 25/02/2018, 15:17
Ursa Polar Desesperada por Comida Desafia Morsa
6 de fevereiro de 2018 - Travis Wilkinson e a sua família navegavam pelo arquipélago de Svalbard, na Noruega, a norte do Círculo Polar Ártico. No final de julho de 2015, viajavam pelo estreito de Hinlopen, a oeste da maior ilha, Spitsbergen, uma rota impossível em alguns verões, quando a sua passagem foi bloqueada. Mas nesse verão, o gelo era especialmente escasso, e caçar era mais difícil para os ursos polares. Estes super predadores aguardam à borda do gelo marinho, surpreendendo as focas quando se aproximam. Uns dias antes, a família Wilkinson tinha estado mais a norte, mais próximo do gelo. Ali os ursos tinham um aspeto saudável. Mas o que aconteceu depois da meia noite a 23 de julho foi desesperante. Uma mãe e a sua cria estão em dificuldades, extremamente magras. De acordo com Jon Aars, do Instituto Polar Norueguês, a cria, de sete ou oito meses de idade, provavelmente morreria se a sua mãe não se alimentasse brevemente. A mãe provavelmente não a estaria a amamentar. Wilkinson viu a ursa a cheirar e captar algo que lhe despertou o interesse. Esta magra fêmea não era capaz de atacar uma morsa adulta e saudável. Uma carcaça resolveria o seu problema. Se a morsa estivesse fraca ou doente, caçar poderia ser uma opção. Mas estava viva e de boa saúde. A situação era insustentável. A sua procura por comida prosseguiu.

Ao lado do magro urso polar fêmea e a sua cria, as morsas que dormem parecem enormes.

Foram avistados por Travis Wilkinson em julho de 2015, pouco tempo após a meia-noite. Como estavam em Svalbard, um arquipélago norueguês no Atlântico norte, ainda havia luz suficiente para que Wilkinson pudesse captar os ursos em vídeo.

Wilkinson e a sua família estavam em plena viagem de veleiro. Alguns dias antes, tinham estado mais a norte mas, à medida que velejavam para sul, o gelo começou a soltar-se e, eventualmente, transformou-se em água. Wilkinson afirma que o percurso, por vezes impossível de transpor, estava particularmente sem gelo nesse verão.

Neste vídeo, é possível ver uma mãe urso a aproximar-se da morsa que dorme, seguida de perto da sua cria. Cautelosamente, inspeciona todas antes de se aproximar finalmente e dando com a pata numa das morsas.

O movimento deixa a morsa atenta e assusta o urso.

É provável que o urso estivesse a verificar se a morsa estaria fraca o suficiente para se transformar numa potencial refeição, afirma Jon Aars, cientista do Instituto Polar Norueguês na Noruega.

Nestas imagens de vídeo, a fêmea adulta exibe uma coleira. Aars afirma que foi ele que colocou a mesma.

Ele e uma equipa de investigadores têm estado a estudar até onde as populações de ursos polares estão a afastar-se do Mar de Barents. Num estudo publicado em outubro passado na publicação Polar Research, Aars e a sua equipa de investigação constataram que os ursos polares tinham "experienciado uma rápida perda de habitat de gelo marinho no Mar de Barents", pelo menos atribuída em parte às alterações climáticas, embora ainda não existam provas suficientes de que tal irá conduzir a um declínio da população da espécie.

Os ursos polares dependem do gelo marinho para caçarem. Podem ficar particularmente vulneráveis à fome durante os meses de verão, enquanto aguardam que o gelo volte a congelar.

Um estudo publicado apenas há uma semana na publicação Science analisou os ursos polares a uma escala global e constatou que, no geral, o aquecimento global coloca a espécie em risco de fome.

É quase impossível afirmar o motivo que levou estes ursos a ficarem tão magros sem a realização de uma análise física.

Mas, sem dúvida alguma, Aars afirma que estão desesperados por alimento.

Num e-mail enviado à National Geographic, avaliou visualmente os ursos e reparou que a fêmea adulta não aparenta estar saudável o suficiente para produzir leite.

"O meu palpite é que a cria iria morrer muito em breve se a mãe não encontrasse nenhum alimento", acrescentou.

Os ursos polares macho caçam por vezes morsas mas as fêmeas mais pequenas, sobretudo quando estão subnutridas, não têm força suficiente para derrubar o predador de maior dimensão.

Ao cheirar cuidadosamente as morsas, o urso polar adulto está a verificar se podem ser facilmente mortas ou não (ou, idealmente para o urso, se já está morta).

"Ao encontrar uma morsa saudável, a resposta para o urso iniciar o ataque é negativa", afirmou Aars.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registrar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados