Animais Que Se Orientam Pelas Estrelas

Um grupo pequeno mas diverso de espécies depende do céu noturno para encontrar alimento e encontrar parceiro.terça-feira, 19 de novembro de 2019

Desde a antiguidade que o homem usa as estrelas para navegar, mas um pequeno e diverso grupo de espécies também usa o céu noturno para se orientar. Alguns animais reconhecem o movimento dos padrões estelares, enquanto que outros se orientam pelas estrelas individuais mais brilhantes. E outros conseguem traçar a sua rota observando a nossa galáxia, a Via Láctea.

Sejam focas ou aves, a capacidade de orientação pelas estrelas é fundamental, pois ajuda os animais a migrar, a encontrar comida ou a procurar parceiro. E até as criaturas mais pequenas, como os escaravelhos, com um cérebro do tamanho de um grão de arroz, conseguem contemplar a noite estrelada e decidir para onde querem ir.

"Creio que isto é extremamente fascinante", diz Marie Dacke, especialista em navegação animal na Universidade Lund da Suécia. “Sempre que olho para os escaravelhos, fico impressionada com o que conseguem fazer.”

Tal como acontece com as referências geográficas que se destacam, a posição da lua, a direção do vento ou até o campo magnético da Terra, uma bússola estelar também é uma de muitas ajudas de navegação.

Os cientistas estão a tentar perceber como é que os olhos e cérebros destes navegadores celestes evoluíram para responder às pistas visuais que existem muito para além do nosso sistema solar. Esta investigação pode oferecer novos conceitos sobre o impacto da poluição luminosa na vida selvagem e até melhorar o design de robots que necessitem de ajudas de navegação.

Eis alguns exemplos de navegadores estelares.

Passerina cyanea

Tal como acontece com muitas aves migratórias, as Passerina cyanea da América do Norte também voam para o sul no inverno – e preferem fazê-lo durante a noite.

Em 1967, num estudo feito no Michigan, investigadores capturaram temporariamente várias aves desta espécie durante a sua migração de outono. Os pássaros foram levados para o Planetário Robert T. Longway, em Flint, nos EUA, e colocados em gaiolas especiais com vista para a cúpula estrelada.

Durante a época de migração, as aves canoras traçam o seu rumo antes de levantarem voo, saltitando na direção em que desejam viajar. No estudo, enquanto o céu do planetário girava em torno da Estrela Polar, simulando o movimento do céu noturno, os pássaros tentavam saltitar para sul, como seria de esperar.

Porém, quando os investigadores removeram as constelações num raio de 35 graus da Estrela Polar, as aves ficaram desorientadas.

Este estudo revelou que as estrelas individuais têm menos importância para as aves do que a rotação de padrões estelares em torno de um ponto central. Na natureza, isto permite determinar onde fica o norte e usar estas informações para voar em direção a sul. (Veja a incrível movimentação da via láctea pelo céu noturno.)

Foca-comum

Os marinheiros polinésios navegaram durante milhares de anos com a ajuda das estrelas, mas as focas-comuns já o faziam há mais tempo.

Estes mamíferos marinhos, que vivem ao longo das costas do Atlântico e do Pacífico, no Hemisfério Norte, passam grande parte do seu tempo à procura de comida durante a noite. Nestas circunstâncias, não têm referências terrestres.

Em 2006, para investigar o potencial de navegação destes animais, cientistas alemães e dinamarqueses colocaram duas focas do Centro de Ciências Marinhas da Alemanha em cativeiro, num planetário flutuante construído especificamente para pesquisa científica.

A equipa treinou as duas focas, chamadas Nick e Malte, para nadarem em direção a estrelas específicas, e descobriu que os animais conseguiam identificar uma única estrela a partir de uma projeção realista do céu noturno do Hemisfério Norte – de acordo com outro estudo feito em 2008.

Isto sugere que as focas conseguem usar estrelas específicas como pontos de referência para se aventurarem longe da costa – a primeira evidência científica de um mamífero marinho que se orienta pela navegação estelar.

“Se acontecer o mesmo na natureza, é provável que esta navegação pelas estrelas possibilite às focas patrulhar de forma mais eficiente uma área à procura de comida”, diz Marie.

Escaravelho

“As focas conseguem ver estrelas individuais porque, como acontece com todos os vertebrados, os seus olhos são semelhantes a uma câmara – têm uma lente e abertura por onde a luz entra e atinge a retina", diz Marie. Esta configuração anatómica, onde a luz é essencial, permite a deteção de objetos pequenos e relativamente desfocados como as estrelas.

Mas os insetos não conseguem ver estrelas individuais: os seus compostos oculares não conseguem detetar pontos de luz isolados. Contudo, uma coleção de estrelas grandes e densas como a da Via Láctea pode parecer uma faixa luminosa. Para o escaravelho noturno africano, Scarabaeus satyrus, isto torna-se num ponto de referência.

Aos primeiros sinais de odor a excremento fresco, os besouros correm na sua direção. Mas a concorrência é acérrima, pelo que alguns fazem uma pequena bola de excrementos e escondem-na em lugares mais isolados, tão depressa quanto possível. "É como um restaurante de comida para fora", diz Marie.

Mais uma vez, a eficiência é fundamental – os escaravelhos que viajam em linha reta conseguem percorrer distâncias maiores e em menos tempo. (Leia mais sobre a forma sofisticada como os escaravelhos navegam pelo mundo.)

De acordo com a investigação de Marie Dacke, o Scarabaeus satyrus usa a luz polarizada da lua para navegar. Mas nas noites sem lua, a Via Láctea oferece um plano secundário. Este escaravelho é atualmente o único animal confirmado a usar a Via Láctea para se orientar, diz Marie.

“Desde que se mantenham sempre na mesma direção da sua posição inicial, conseguem mover-se em linha reta.”

Marie acrescenta que devem existir mais animais que usam as estrelas para se orientar. Por exemplo, é provável que o pisco-de-peito-ruivo, a traça de Noctua pronuba e algumas rãs também o consigam fazer.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler