Já Reparou que os Pirilampos Estão a Desaparecer?

Existem ameaças que podem extinguir algumas das 2 mil espécies de pirilampos do planeta. Torna-se urgente travar o declínio mundial destas espécies.

Por National Geographic
Publicado 18/03/2020, 16:14
Dois pirilampos 'descansam' numa folha durante o dia.
Dois pirilampos 'descansam' numa folha durante o dia.
Fotografia por Paul Zahl, National Geographic Creative

Os pirilampos, de seu nome científico “Lampyris” ou lanterna em latim, são corriqueiramente conhecidos como vaga-lumes. Existem duas mil espécies de pirilampos em todo o mundo, sendo que 65 se encontram na Europa e 11 vivem entre Portugal e Espanha.

Da larva ao pirilampo
Com semelhança ao desenvolvimento da borboleta, na sua fase de larva, o pirilampo acumula reservas energéticas para se desenvolver. Esta fase dura entre um e três anos, representando a grande parte da vida do animal.

O pirilampo adulto possui o corpo segmentado em cabeça, tórax e abdómen, tem três pares de patas e um par de antenas. Tal como as joaninhas, os escaravelhos, os besouros e os gorgulhos, ostentam dois pares de asas. Um par exterior, rígido, que serve de proteção e, outro, interior e muito mais frágil, que lhes permite efetivamente voar. 

As fêmeas pirilampos são geralmente maiores do que os machos, mas possuem olhos mais pequenos e apenas um segmento iluminado. Quer uns como outros, chamam pouco a atenção pelo seu corpo preto ou castanho escuro e, pelos seus anéis esverdeados ao longo do abdómen. Até que se dá a bioluminescência, isto é, até que começam a piscar.

Alimentam-se de presas de tamanho bastante superior ao seu, que imobilizam através de um veneno, tal como fazem as aranhas.

O piscar dos pirilampos
A bioluminescência é um fenómeno que se traduz pela emissão de luz visível aos nossos olhos, por parte de um organismo vivo. Esta característica deve-se a um processo biológico complexo em que participam várias substâncias. A química explica que resulta energia sob a forma de luz em 90% e, calor, em 10%.

A luz dos pirilampos é fria e altamente eficiente. Serve de defesa em relação a predadores, ou como sinal de perturbação, associando-se também a rituais de acasalamento.

As fêmeas piscam com um padrão próprio da sua espécie para atrair os machos corretos. Os machos piscam como mensagem de aproximação. Após o acasalamento, as fêmeas deixam de piscar. Existem espécies que comunicam ao crepúsculo, outras durante a escuridão da noite. Nem todos os pirilampos emitem luz, porque acasalam durante o dia.

A luz emitida pelo pirilampo-ibérico (Lampyris ibérica), descrito em 2008, e pelo pirilampo-lusitânico (Luciola lusitânica), descrito em 1825, é esverdeada, intermitente nos machos e fixa nas fêmeas.

As fêmeas pirilampos possuem olhos menores e apenas um segmento iluminado.
Fotografia por Paul Zahl, National Geographic Creative

Os pirilampos estão a desaparecer
Uma equipa de biólogos da Universidade de Tufts, em Massachusetts (Estados Unidos), contou com a participação da União Internacional para a Conservação da Natureza, publicando um estudo na revista Bioscience, cujos resultados refletem as ameaças à existência de pirilampos.

São várias as causas que estão a levar ao desaparecimento das espécies de pirilampos. A poluição luminosa, química e a perda de habitat são algumas delas. É necessário e urgente parar e observar as causas da interferência humana que conduziram ao risco de extinção.

Poluição luminosa
O excesso de luz artificial dificulta a comunicação entre os pirilampos e a sua reprodução. A lanterna dos insetos bioluminescentes não consegue competir com a luz emitida pelas lâmpadas criadas pelo ser humano. O excesso de luz artificial vai inibir a produção da luz entre si.

Poluição química
Os pesticidas matam caracóis e lesmas, as presas das quais os pirilampos se alimentam. Podemos, inclusive, utilizar os pirilampos como bioindicadores, ou seja, a sua presença num determinado ambiente dá-nos informação sobre o estado desse mesmo habitat, no que respeita à sua qualidade quanto aos níveis de poluição química.

Perda de habitat
A extinção deve-se, também, à destruição dos campos e ribeiras onde vivem. A diminuição de pântanos, mangais, parques, florestas, campos agrícolas ou pastagens é um dos fatores. A degradação do seu habitat, que pela urbanização dos terrenos, a industrialização e a intensificação da agricultura, é o principal fator para o seu desaparecimento.

Estratégias de conservação
As estratégias são escassas devido às lacunas de informação sobre a distribuição dos pirilampos, a ecologia e os fatores de ameaça, para além do próprio inventário não concluído. Contudo, é importante cuidar da conservação dos pirilampos, quer pela preservação dos seus habitats, quer pela retenção da poluição luminosa e um maior controlo no recurso a pesticidas.

Em 2018 foi criado o Grupo de Peritos em Pirilampos da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) para avaliar o estatuto de conservação e o risco de extinção destes insetos a nível mundial. O grupo tem como responsáveis Sara Lewis e Sonny Won, da Sociedade Malaia da Natureza. O mesmo prevê publicar a revisão mundial das ameaças à extinção dos pirilampos.

Assista a um espetáculo de pirilampos
Das 11 espécies de pirilampos que existem em Portugal, duas delas, o pirilampo-lusitânico (Luciola lusitânica) e o pirilampo-mediterrânico (Nyctophila reichii) podiam, até ao ano de 2017, ser observadas na Quinta de Alcube, situada no Parque Natural da Arrábida, no evento 'As Noites de Estrelas e Pirilampos' que era organizado a cada mês de junho, pela Ocean Alive.

No Norte também era possível assistir à 'Noite dos Pirilampos', normalmente em junho, organizada pelo Parque Biológico de Gaia. Aqui encontram-se as espécies pirilampo-grande-de-lunetas (Lamprohiza paulionoi) e o pirilampo-lusitânico (Luciola lusitânica). Para este ano está previsto o Simpósio Internacional sobre Pirilampos, a decorrer de 17 a 19 de junho de 2020 em Gaia, cujo foco de interesse está dedicado a este grupo de insetos no âmbito da biologia, de estudos do comportamento, da sistemática e da conservação da natureza.

Se tiver a oportunidade de assistir a um espetáculo de pirilampos, pedimos-lhe que observe os seus padrões de cintilação sem qualquer tipo de interferência. Os locais mais adequados para observar pirilampos são as zonas húmidas, longe de pesticidas e luzes intensas.

 

Artigo atualizado a 20 de março de 2020 por motivos editoriais.

Continuar a Ler

Também lhe poderá interessar

Animais
Portugueses na Luta Contra a Extinção de Insetos
Animais
A paciência compensa um tira-olhos macho
Animais
Freguesia do Areeiro, em Lisboa, inaugura “hotéis” para insetos
Animais
Não deixe os percevejos morderem!
Animais
Veja estes escaravelhos enterrarem um cadáver antes de colocarem os seus ovos dentro dele

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados