Baleia-branca Avistada ao Largo de San Diego Surpreende Cientistas

A baleia foi avistada a milhares de quilómetros da zona de população de baleias-brancas mais próxima, e ninguém sabe de onde veio ou porquê.

Thursday, July 16, 2020,
Por Jason G. Goldman
Imagem aérea captada por um drone de uma baleia-branca ao largo da costa de San Diego, ...

Imagem aérea captada por um drone de uma baleia-branca ao largo da costa de San Diego, a milhares de quilómetros da sua faixa nativa de alcance.

Fotografia de Domenic Biagini

Estava uma manhã agradável de sexta-feira em junho, quando Domenic Biagini, comandante de uma embarcação de observação de baleias e fotógrafo de vida selvagem, dirigiu o seu barco de oito metros para longe da Baía Mission de San Diego com seis clientes a bordo. O plano era encontrar algumas baleias – talvez uma baleia-azul em migração – pelo que contactou Lisa LaPointe, também ela comandante de uma embarcação de observação, para saber se Lisa tinha visto alguma baleia naquele dia.

“Dom, acabámos de ver um animal branco com quase cinco metros que não tinha uma barbatana dorsal”, ouviu Domenic pelo rádio. “É do mais branco que consigas imaginar.”


Não era definitivamente uma baleia-azul, uma baleia-jubarte, uma orca, ou qualquer outra espécie que Domenic normalmente avista durante as viagens de observação de baleias. O que Lisa estava a descrever parecia uma baleia-branca, mas não é suposto encontrarem baleias-brancas perto das águas da Califórnia.

Uma hora depois, Lisa contactou novamente Domenic pelo rádio, insistindo que o que realmente tinha visto era uma baleia-branca. “Ninguém vai acreditar em nós se não tivermos provas tangíveis”, disse Lisa a Domenic, pedindo ajuda para documentar o que tinha visto. Domenic navegou até à localização de Lisa para poder usar um drone para filmar o animal.

Domenic procurou durante 45 minutos até que a baleia surgiu a apenas 180 metros da proa do barco. “Inegavelmente, inconfundivelmente, apareceu uma baleia-branca à minha frente”, diz Domenic. “Foi muito bizarro, foi um momento tão surpreendente” que Domenic ativou imediatamente o seu modo de “cidadão cientista”, com as mãos trémulas enquanto pilotava o drone para documentar o visitante surpresa.

Domenic Biagini, comandante de uma embarcação de observação de baleias e proprietário da empresa Gone Whale Watching, filmou a baleia-branca com um drone.

As baleias-brancas normalmente não saem das águas do Ártico e subártico ao largo das costas do Canadá, Gronelândia, Rússia, Escandinávia e Alasca. Estes animais são altamente sociais e costumam nadar em grupos. Mas a baleia que Domenic filmou no dia 26 de junho estava a cerca de quatro mil quilómetros de distância da população de baleias-brancas mais próxima, que fica no Alasca, e estava sozinha. A espécie nunca foi oficialmente registada tão a sul. As questões em torno de onde veio, e porquê, deixaram os cientistas perplexos.

Cetáceo explorador
Apesar de não ser comum, não é inédito as baleias-brancas aventurarem-se longe do seu habitat polar. Na primavera de 1940, foi avistada uma baleia-branca na costa do estado de Washington. No Atlântico, já foram avistadas no extremo sul de Massachusetts e Nova Jersey, e também já foram avistadas populações de baleias-brancas da Rússia no sul do Japão. Em 2018, uma baleia-branca com a alcunha de Benny deu por si no Rio Tamisa a nadar em direção a Londres.

Ainda assim, é surpreendente ver uma baleia-branca no sul da Califórnia. Nos últimos anos, tem surgido nestas águas um número crescente de espécies inesperadas, mas normalmente visitam os trópicos mais quentes, como acontece com as cobras marinhas Pelamis platura e os tubarões-martelo que são atraídos para norte devido a uma combinação de fatores – alterações climáticas e o furacão El Niño.

Não se sabe o que inspirou esta criatura a partir numa jornada tão inesperada. “Talvez tenha decidido fazer uma viagem e seja muito curiosa, ou pode estar doente e desorientada”, diz Alisa Schulman-Janiger, investigadora associada do Museu de História Natural de Los Angeles.

Porém, com base nas imagens de drone de Domenic, Alisa e outros especialistas dizem que o animal parece ter uma boa condição corporal. Enquanto predador generalista, esta baleia não teria problemas em encontrar algo para comer, mesmo que o cardápio na Califórnia seja um pouco diferente daquele que encontra em casa. “Gostaria de pensar que está numa grande aventura”, diz Alisa.

Uma longa e estranha viagem
“Sem informações genéticas ou uma fotografia que possa ser comparada com os catálogos existentes de baleias-brancas da Rússia ou do Alasca, saber de onde é que esta baleia veio é uma incógnita. Pode vir de muitos lugares diferentes”, diz Kristin Laidre, cientista do Centro Polar de Ciência da Universidade de Washington.

A população de baleias-brancas mais próxima vive o ano inteiro no Golfo do Alasca, com menos de 300 indivíduos na Enseada de Cook e outros 20 na Baía de Yakutat, a leste. Globalmente, as baleias-brancas não são consideradas ameaçadas, mas a população da Enseada de Cook, que inclui as baleias de Yakutat, está classificada como ameaçada pela Lei de Espécies Ameaçadas dos EUA, com um declínio médio anual de cerca de 2,3%.

Mas também há outro fator invulgar – esta baleia estava sozinha. “As baleias-brancas são gregárias, geralmente estão juntas em grupos. Ter um indivíduo tão longe da área central destas baleias... eu nem sequer consigo dar um palpite para as razões pelas quais nadou para a Califórnia”, diz Laidre.

De acordo com relatos não confirmados, vários dias depois de Lisa LaPointe e Domenic Biagini terem avistado a baleia, o cetáceo apareceu mais a norte, perto das Ilhas Anglo-Normandas da Califórnia, na costa de Los Angeles. Se for realmente a mesma baleia, isso indicaria que voltou para trás e que pode estar lentamente a regressar a casa.

Schulman-Janiger, que organiza contagens anuais de baleias-cinzentas na região e participa em operações de salvamento de baleias presas em equipamentos de pesca, tem o que chama de “rede informal de avistamentos” por toda a costa do Pacífico. E pediu a todos que mantivessem os olhos abertos para uma baleia-branca solitária, mas o último avistamento por confirmar aconteceu no dia 30 de junho, perto das Ilhas Anglo-Normandas. Se a baleia não for avistada novamente, provavelmente nunca saberemos de onde veio – ou porquê.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler