Ajude as Crianças a Superar o Medo de Tubarões e Outros Animais ‘Assustadores’

Especialistas em animais explicam como se deve mostrar às crianças que não há nada a temer.

Monday, August 3, 2020,
Por Jason Bittel
Grande tubarão-branco.

Grande tubarão-branco.

Fotografia de Jim Abernethy / National Geographic Image Collection

Se uma barbatana a sair da água lhe dá calafrios, é provável que os seus filhos também sintam que os tubarões são um pouco assustadores – juntamente com criaturas como cobras, aranhas e abelhas. Mas há boas notícias: os especialistas dizem que as pessoas não devem recear estes animais. E quando as crianças conseguem superar as ansiedades relacionadas com animais, também há vários benefícios.

“Se o seu filho tem medo da água, não vai desfrutar de todas as outras coisas que os oceanos têm para oferecer”, diz Jasmin Graham, bióloga marinha do Laboratório e Aquário Mote Marine, na Flórida. “A última coisa que quer fazer é privar o seu filho dessa experiência.”


Quanto mais cedo puder expor os seus filhos a animais como tubarões, maiores serão as probabilidades de eles se sentirem fascinados, em vez de terem medo.

“Pela minha experiência, quando crianças veem um tubarão pela primeira vez, se isso acontecer em tenra idade, não vão ter medo”, diz Jasmin Graham, que também é coordenadora de projetos do Marine Science Laboratory Alliance Center of Excellence. “As crianças ficam interessadas e não se assustam.”

As crianças também precisam de aprender que, se derem espaço aos animais “assustadores”, as criaturas geralmente ficam afastadas. Na realidade, os animais têm geralmente mais a temer dos humanos. Por exemplo, os cientistas estimam que os humanos matam anualmente cerca de 100 milhões de tubarões, seja através da pesca direcionada ou como captura acessória. Mas, em média, os tubarões matam apenas quatro humanos por ano. “Portanto, entre os dois animais presentes nesta situação”, diz Jasmin Graham, “um é definitivamente uma ameaça muito maior para o outro.”

Os cientistas têm mais conselhos para dar sobre a forma como os pais podem mudar a visão que os seus filhos têm dos animais “assustadores”. E provavelmente os pais também podem achar estes conselhos úteis!

ANIMAL: TUBARÕES

Tubarão-epaulette.

Fotografia de slomotiongli / Getty Images

SÃO ESPETACULARES PORQUE: Muitos tubarões são predadores de topo no seu ecossistema, mantendo outras populações de predadores mais pequenos sob controlo. (Muitos destes predadores mais pequenos podem devorar muitas espécies de peixes que as crianças gostam de comer.) E com mais de 500 espécies de tubarões, as crianças irão certamente encontrar um favorito, seja o maior peixe do mundo – o tubarão-baleia – ou o tubarão-lanterna-anão que é do tamanho de uma banana e que tem umas bolsas em ambos os lados da cabeça que se iluminam no escuro. E alguns são realmente fofos, diz Jasmin Graham, como os tubarões-epaulette (na fotografia acima), que por vezes andam em terra.

NADA A TEMER: “Uma das coisas que eu gosto de dizer às crianças é que só há 16 encontros de humanos com tubarões por ano nos Estados Unidos”, diz Jasmin Graham, que também é cofundadora do grupo Minorities in Shark Sciences. “E isto geralmente resulta numa morte a cada dois anos.” Por exemplo, os cães mordem anualmente 4.5 milhões de pessoas nos EUA. “E trazemos os cães para dentro de casa e vestimos-lhes roupas engraçadas.”

O QUE OS PAIS PODEM FAZER: A melhor coisa para afastar o medo e os preconceitos é expor as crianças aos animais. As viagens ao jardim zoológico ou a um aquário podem ajudar a mostrar às crianças que os tubarões são pacíficos, e os livros e os documentários sobre a natureza podem ajudar as crianças a conhecer a biologia fantástica e a evolução destes animais sem se fixarem no medo. “E devemos brincar na praia como sempre fizemos”, diz Jasmin Graham. “Sempre que entramos na água, provavelmente existem cerca de 20 tubarões nessa região e nem sequer damos por eles. Eles ficam fora do nosso caminho. Estão apenas a viver as suas vidas.”

ANIMAL: COBRAS

Cobra-do-milho.

Fotografia de Nathan Shepard / Getty Images

SÃO ESPETACULARES PORQUE: Muitas espécies de cobras atacam ratos e outros pequenos roedores, fazendo das cobras um esquadrão de controlo de pragas na natureza. As investigações mostram até que as cobras conseguem reduzir o número de carraças nas proximidades, dado que as carraças dependem de roedores durante parte do seu ciclo de vida. Para além disso, os cientistas usam o veneno de cobras para criar novos medicamentos que controlam a pressão alta, fragmentam coágulos sanguíneos e reduzem o risco de ataques cardíacos.

NADA A TEMER: “Os humanos são os predadores das cobras, e não o contrário”, diz Earyn McGee, herpetologista da Universidade do Arizona. “Uma cobra nunca nos irá perseguir.” As cobras são predadores que ficam à espera – e os humanos não estão no cardápio. “E mesmo com as cobras venenosas, podemos passar muito perto delas sem sequer percebermos que estão lá, porque estão extremamente quietas com a esperança de que ninguém as veja”, diz Earyn McGee.

O QUE OS PAIS PODEM FAZER: Uma boa forma de ensinar às crianças o valor das cobras é focarem-se nas espécies dóceis e não venenosas, como as cobras-liga e as cobras-do-milho (na imagem acima). Estas espécies são fáceis de manusear e são ótimos animais de estimação. (Earyn McGee recomenda que não se aperte os animais com força e que se evite o seu confinamento.)

ANIMAL: ARANHAS

Aranha-saltadora.

Fotografia de Rolf Nussbaumer / NPL / Minden Pictures

SÃO ESPETACULARES PORQUE: Ter aranhas por perto é o mesmo que ter um mata-moscas a um canto da sala. Um estudo estimava que todas as aranhas do mundo comem anualmente quase 900 milhões de toneladas de insetos e outras pequenas criaturas. As crianças também podem ficar impressionadas com os “superpoderes” das aranhas, diz Sebastian Echeverri, que estuda aranhas-saltadoras na Universidade de Pittsburgh. As aranhas conseguem andar pelas paredes e construir as suas próprias armadilhas; algumas espécies caçam peixes debaixo de água e outras até crescem o suficiente para atacar morcegos e pássaros. (Veja uma aranha-tecelã no Belize a atacar um morcego desafortunado.)

NADA A TEMER: As aranhas simplesmente não gostam de atacar humanos. “Nós somos um arranha-céus para uma aranha”, diz Sebastian Echeverri. “Quando as aranhas lidam com algo tão grande como os humanos, a coisa mais segura que podem fazer é fugir.” Para além disso, das 3.400 espécies de aranhas que existem na América do Norte só duas é que têm veneno suficiente para nos enviar para o hospital.

O QUE OS PAIS PODEM FAZER: Da próxima vez que encontrar um aracnídeo em casa, cubra-o lentamente com um copo e deslize um pedaço de papel por baixo, diz Sebastian Echeverri. Assim pode ver a aranha de perto e mostrar aos seus filhos que não há nada a temer.

ANIMAL: ABELHAS

Abelha.

Fotografia de Michael Durham / Minden Pictures

SÃO ESPETACULARES PORQUE: De todos os animais presentes nesta lista, as abelhas serão provavelmente os mais propensos a arruinar o dia dos seus filhos com uma picada acidental. Mas também são pequenos insetos maravilhosos que polinizam mais de cem tipos de culturas, sejam amêndoas, maçãs, cacau e abóboras. Sem as abelhas e outros polinizadores, 80% de todas as plantas com flor na Terra podiam desaparecer.

NADA A TEMER: “As abelhas são geralmente criaturas muito dóceis”, diz Natalie Boyle, entomologista da Universidade Estadual da Pensilvânia. O que as abelhas querem realmente é flores e outras fontes de nutrientes. E para algumas espécies, como a abelha europeia, picar um humano pode resultar na morte da abelha – motivação adicional para ambas as espécies se deixarem em paz.

O QUE OS PAIS PODEM FAZER: Ficar ao lado de um canteiro de flores a observar abelhas pode ser divertido, diz Natalie Boyle, que montou uma aula de ciências em casa para observar estes polinizadores. E se uma das abelhas se aproximar demasiado, não entre em pânico. “A abelha não está à procura de um confronto”, diz Natalie Boyle. “Seja paciente, dê-lhe um pouco de espaço e não a mate!”

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler