A História de Vida e Morte de Uma Fotografia

Apesar de os jornalistas aprenderem na escola que não se devem envolver nos casos que acompanham, alguns acabam por ajudar de formas diferentes.

Thursday, February 13, 2020,
Por Whitney Johnson
PROVÍNCIA DE BADAKHSHAN, AFEGANISTÃO – Entre os diversos assuntos que há muito tempo compelem a fotógrafa ...
PROVÍNCIA DE BADAKHSHAN, AFEGANISTÃO – Entre os diversos assuntos que há muito tempo compelem a fotógrafa londrina Lynsey Addario estão a mortalidade materna, documentada por Lynsey em muitos países, e a vida difícil das mulheres no Afeganistão da atualidade. Em dezembro de 2010, o drama encontrado por Lynsey numa estrada rural do Afeganistão entrelaçou ambos os temas. Surpreendida com a visão incomum de mulheres sozinhas no campo, Lynsey Addario e o médico com quem estava a viajar descobriram que uma das mulheres estava grávida e em trabalho de parto. O marido desta mulher já tinha perdido uma esposa em trabalho de parto. O carro do homem estava avariado, e ele estava a tentar encontrar outro veículo, mas Lynsey e o seu companheiro levaram a família ao hospital. Este episódio, contado numa compilação de imagens de Lynsey Addario sobre o Afeganistão, teve um final feliz. Ajudada por enfermeiras, a mãe de 18 anos deu à luz uma menina.
Fotografia de LYNSEY ADDARIO

Por vezes, os fotógrafos da National Geographic fazem mais do que tirar fotografias – também ajudam as pessoas que encontram.

No Afeganistão, quando estava a fazer uma peça sobre mortalidade materna, Lynsey Addario encontrou duas mulheres na estrada. Fotografando-as contra um fundo contrastante, Lynsey ficou impressionada com a imagem invulgar de mulheres sozinhas no meio do nada.

E uma das mulheres estava em trabalho de parto.

“Nós oferecemo-nos para levar as mulheres ao hospital, mas elas disseram que precisavam da permissão do marido”, disse Lynsey ao colega David Beard. Lynsey Addario e o seu guia foram pedir autorização ao marido, e depois levaram a mulher ao hospital, onde a bebé nasceu.

Foi um final feliz para um trabalho que costuma revelar uma realidade sombria. “Existem muitas mulheres que morrem no Afeganistão porque não têm acesso a cuidados de saúde”, disse Lynsey.

A fotografia foi selecionada como uma das melhores da década para a National Geographic.

Apesar de os jornalistas aprenderem na escola que não se devem envolver nas histórias que acompanham, alguns acabam por ajudar de formas diferentes. Por exemplo, através da sua Photo Ark, Joel Sartore catalogou mais de 9.800 animais em perigo de extinção ou vulneráveis, ajudando a sensibilizar o público para o declínio em massa de várias espécies. E Beverly e Dereck Joubert, cineastas de vida selvagem, não só fotografaram grandes felinos em África, como iniciaram um projeto para comprar terras de conservação, e convenceram alguns dos massai a deixar de caçar os animais.

E Matthew Abbott, fotógrafo australiano, viu um ato de bondade a dar frutos numa questão de minutos. No início de janeiro, Matthew disse-nos que estava a ajudar a retirar caixotes do lixo de casas ameaçadas pelos incêndios na Austrália, quando reparou num canguru assustado, a saltar entre as chamas, à procura de um lugar seguro.

As boas ações de Matthew colocaram-no numa posição perfeita para captar esta imagem icónica.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler