Genius: Picasso's Street

O Génio aos 90 Anos

Poucos artistas no mundo foram tão prolíficos. Pintor, escultor, ceramista, cenógrafo, poeta e dramaturgo, produziu cerca de 50 mil obras em 80 anos de carreira. Conheça um dos mais aclamados artistas do século XX. Quarta-feira, 18 Abril

Por National Geographic

Nasceu a 25 de outubro de 1881, em Málaga, Espanha. Foi durante a sua infância que, impulsionado pelo pai, começou a pintar e a desenhar, tendo pintado a sua primeira tela a óleo aos oito anos.

Foi admitido na Real Academia de Belas-Artes de San Fernando em Madrid, mas depressa abandonou os estudos, e mudou-se para Barcelona, onde conheceu alguns dos seus influenciadores, e os seus trabalhos. Aos 19 anos instala-se em Paris, onde abraça a cultura boémia e decadente de Montmartre, e descobre nova inspiração.

Período Azul

É então que, em 1901, no seguimento do suicídio de um amigo, se inicia o Período Azul de Picasso, onde a cor azul era predominante nas suas pinturas.

Período Rosa

Em 1904, inicia o Período Rosa. Durante os dois anos seguintes, Picasso passaria a usar maioritariamente cores quentes e tons-terra nas suas obras, sendo também durante este período que começa a desenvolver o seu estilo próprio.

Período Africano ou Pré-Cubismo

É no ano de 1907 que conhece o artista francês Georges Braque, quando este visita o seu estúdio para conhecer a sua obra “Les Demoiselles D’Avignon” – com clara influência da cultura africana - que impressiona Braque.

Cubismo

Os dois artistas tornam-se inseparáveis. Juntos, em 1909, criam o Cubismo. A primeira fase cubista, Cubismo Analítico, dura 3 anos, e durante esta fase usa quase exclusivamente tons neutros e castanhos monocromáticos, desafiando a perspetiva convencional e a técnica da época. A segunda fase do movimento, Cubismo Sintético, dura até 1919, e nesta fase explora a técnica mista de pintura e colagem – algo até então inédito nas belas-artes.

Neoclassicismo

Em 1917, conhece Olga Khokhlova, a sua primeira esposa, e abandona as formas geométricas do Cubismo no quadro “Portrait d'Olga dans un fauteuil”, um dos trabalhos que marcava o início do período Neoclassicista do artista.

Surrealismo

Após este período, em 1925, volta, uma vez mais, a reinventar o seu estilo e dedica-se ao Surrealismo. É durante esta época que conhece Marie-Thérèse Walter de 17 anos, que viria a tornar-se sua musa e amante, inspirando várias pinturas, entre 1927 e 1935.

Guerra Civil Espanhola e II Guerra Mundial

Separado da mulher, conhece a francesa Dora Maar em 1937. É a talentosa fotógrafa, artista surrealista e poeta, que o convence a pintar a sua obra de arte política Guernica (1937), por altura do bombardeamento da cidade Basca pelos Nazis, durante a guerra civil espanhola.

É antes do fim da II Guerra Mundial que, com 61 anos, conhece a francesa Françoise Gilot de 21, sua companheira dos dez anos seguintes.

Pós-Guerra

Neste período, experimentou outras técnicas como cerâmica e “light-painting” – uma técnica fotográfica que pressupõe desenhos com luz estroboscópica diante de uma objetiva – por inspiração do fotógrafo e engenheiro Gjon Mili.

Em 1953, separa-se de Gilot, levando os dois filhos do casal. No mesmo ano, conhece a que viria a ser a sua segunda e última mulher, Jacqueline Roque. O artista pintaria 400 retratos de Roque – mais do que de qualquer uma das outras musas – até ao final da sua vida.

Últimos Anos

Os seus últimos anos da vida continuaram a ser extremamente produtivos. Em 1966 mais de 200 esculturas, desenvolvidas desde 1905, foram expostas pela primeira vez, em Paris, Londres e Nova Iorque.

Estas esculturam refletem as suas fases artísticas do ano em que foram feitas. Em 1970, numa homenagem à sua vastíssima e impressionante obra, tornou-se o primeiro artista vivo a ter uma exposição no Museu do Louvre, em Paris.

Nos últimos dez anos da sua vida, produziu imensas peças de cerâmica e gravuras, tendo até continuado quando já estava quase cego. Faleceu a 8 de Abril de 1973, aos 92 anos.

Continuar a Ler