História

A Rainha Isabel II e o Reinado que Quebrou Todos os Recordes em 14 Fotografias

A Rainha Isabel II, com 91 anos de idade, sempre enfatizou que o seu papel não consiste em reinar mas, sim, em servir.Thursday, November 9, 2017

Por Simon Worrall
A Princesa Elizabeth é aqui representada (quarta da esquerda), com 11 anos de idade, na varanda do Palácio de Buckingham, após a coroação do seu pai George VI. A morte do amado pai de Elizabeth, em 1952, levou-a para o trono aos 25 anos.
A Rainha Isabel II sempre se orgulhou do seu estatuto de chefe das Forças Armadas Britânicas. Aqui, a Princesa Isabel, acompanhada pela Princesa Margarida (à esquerda) e pela Rainha Mãe (direita), encontra-se com membros dos Grenadier Guards.
As viagens da Rainha Mãe à zona operária na parte oriental de Londres para aumentar o moral da população durante o bombardeamento alemão de Londres em 1940-41 foram uma forte fonte de inspiração para a futura rainha. Aqui, a Princesa Isabel treina o trabalho de mecânica no Serviço Territorial Auxiliar em 1945.
O casamento entre o Príncipe Filipe da Grécia, vulgo Duque de Edimburgo, e “Lilibet”, forma como ele tratava a rainha, foi um verdadeiro casamento de amor e não um acordo dinástico. Aqui estão os dois em 1951, como os filhos Carlos e Ana.
A Princesa Elizabeth sai do Palácio de Buckingham para se dirigir para a sua coroação em Westminster Abbey a 2 de junho de 1953.
Enfeitada com um chapéu branco de palha e um vestido de renda, Sua Majestade exibe-se numa festa no jardim em Sydney durante a sua primeira visita estatal à Austrália em fevereiro de 1954.
A rainha tem um carinho especial pelo Canadá, que, ao contrário da Austrália, não tem mostrado sinais de sentimento republicano que a procure remover do seu cargo como chefe titular de Estado. Aqui está ela, aos 33 anos, com o duque de Edimburgo, em Ottawa, Ontario.
A rainha sem a sua linhagem é como uísque sem refrigerante. O pai apresenta o futuro monarca à sua linhagem quando ele trouxe "Dookie" para casa em 1933. A rainha possuiu mais de 30 descendentes em Pembroke Welsh. Aqui está uma imagem dela de 1969.
A rainha é conhecida pelo seu amor incondicional pelos cavalos e nunca perde o Derby britânico em Epsom, especialmente se um de seus cavalos de corrida vai participar. Nesta foto ela está a falar com os saltadores júniores no castelo de Windsor em 1979.
Ao contrário do seu próprio casamento, o casamento do filho de Elizabeth, Charles com Diana Spencer foi um jogo dinástico organizado por genealogistas do palácio. As clivagens futuras parecem prefiguradas na linguagem corporal tensa desta foto de 1982.
“Eu devo ser praticamente a única pessoa a usar sempre chapéu”, escreveu a rainha ao chapeleiro real Philip Somerville, que, antes de falecer em 2014, foi o responsável pelos chapéus da rainha durante um quarto de século. Esta é a rainha em 2009.
Ao contrário da sua imagem pública, que, por vezes, pode parecer rígida e distante, a rainha é conhecida em privado pelo seu sentido de humor irreverente. Aqui, desfruta de uma corrida de sacos na Braemar Gathering na Escócia em 2012.
A rainha em 2007, deixando o State Opening of Parliament, resplande em arminho com o seu diamante diadema feito em 1820 pelo seu ancestral Hanoveriano, George IV.
O "annus horribilis" de 1992, com o desmoronamento do casamentos dos seus filhos e a morte da princesa Diana cinco anos mais tarde, afastavam a possibilidade de obter um retrato familiar feliz, como este tirado no último verão no Palácio Buckingham.

Tenho de confessar que nunca fui aquilo que o meu querido falecido pai costumava chamar de "um observador de corgis" — alguém obcecado com a família real britânica. A opinião de Sua Majestade e a minha, apesar de, infelizmente, ainda não termos tido a oportunidade de trocar opiniões, divergem quase de certeza em questões como classes e política.

Mas, tal como muitos britânicos da minha geração (nasci um ano antes da coroação), a minha vida tem sido marcada pelo reinado da Rainha Isabel II que, em 2015, entrou para o livro dos recordes como a monarca há mais tempo em funções em mil anos de reis e rainhas britânicos, eclipsando os 63 anos e 216 das de reinado conquistado pela sua tetravó, a Rainha Vitória.

Durante este período, presenciou várias revoluções sociais e políticas. Quando chegou ao trono em 1952, uma jovem e esguia mulher de cabelo negro, o racionamento devido à II Guerra Mundial tinha acabado de ser eliminado, o Império Britânico ainda governava várias regiões do mundo, a homossexualidade era considerada crime, o divórcio era encarado como um estigma, o sexo antes do casamento era a exceção, as minorias éticas eram uma raridade, o desporto era, na sua maioria, amador e a comida britânica não era, em grande parte, comestível. 

A Grã-Bretanha atual — onde algumas escolas de Londres ensinam as crianças a falar mais de cem idiomas, o casamento entre homossexuais é legal e os jogadores de futebol ganham mais por semana do que o primeiro-ministro ganha num ano — é um país totalmente diferente. Londres tem agora mais restaurantes com estrelas Michelin do que Paris!

Doze primeiros-ministros e presidentes passaram, os cortes de cabelo e as bainhas tornaram-se maiores ou mais curtos e a nossa fé na modernidade deu origem à ansiedade sobre as alterações climáticas, a Rainha permaneceu firme como os carrilhões do Big Ben, honrando o voto que fez durante a sua coroação: não controlar o seu povo, mas, sim, servi-lo. A dedicação ao dever, a firmeza e o amor ao país são as virtudes antiquadas que definiram o seu reinado. Durante 65 anos, nunca vacilou, nunca se enganou, que me lembre, nem ofendeu ninguém intencionalmente. Nunca nos desiludiu nem se desiludiu a sim mesma.

A sua vida também teve episódios de infelicidade. O assassinato do seu adorado primo, Louis Mountbatten, pelo IRA, em 1979, causou uma ferida no seu coração que demorou muitos anos a curar. Uma prova da sua tenacidade e do elevado compromisso com o dever refletiu-se durante uma visita muito emotiva à Irlanda, em 2012, na qual a Rainha apertou a mão de Martin McGuinness, antigo comandante do IRA e atual primeiro-ministro adjunto da Irlanda do Norte.

annus horribilis de 1992, quando os casamentos dos seus filhos falharam e o Castelo de Windsor se incendiou, registou o mais baixo nível de popularidade de sempre da Casa de Windsor. Quando a Rainha não reagiu de imediato à onda de pesar após a morte da princesa Diana, muitos sentiram que a monarquia tinha perdido a ligação com o seu povo.

Atualmente, abençoada por novos bisnetos e futuros herdeiros, uma economia em crescimento e o mais extenso período de paz na longa história da Grã-Bretanha, a Rainha é admirada e adorada, não só no seu país como no mundo inteiro.

Nunca serei um observador de corgis. Mas tiro o meu chapéu à Rainha e peço-lhe, caro leitor, que se junte a mim no tradicional cumprimento britânico: God Save the Queen!

Continuar a Ler