História do Vinho do Porto

O Dia Internacional do Vinho do Porto, que se celebra a 27 de janeiro, inspirou-nos a recuar ao passado e contar esta história.sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Por National Geographic

A dia 27 de janeiro celebra-se o Dia Internacional do Vinho do Porto e, por isso, vamos recuar no tempo e revisitar a história: como surgiu, como se internacionalizou, e porque devemos celebrá-lo.

O VINHO DO PORTO
O nosso Vinho do Porto é um vinho licoroso, fortificado, produzido exclusivamente a partir de uvas da Região Demarcada do Douro, a cerca de 100 km da cidade do Porto. Apesar dos primeiros vestígios de videiras na região datarem de há 3.000 anos, a primeira menção documentada sobre o vinho do Porto remonta a 1675, altura em que já era procurado internacionalmente.

Mas, além do seu sabor, textura e cor inimitáveis, o que torna o Vinho do Porto tão especial? Além do clima único em que as uvas crescem e se desenvolvem, a fermentação das uvas não é completa, sendo interrompida dois ou três dias depois do início, pela adição de aguardente vínica neutra com teor alcoólico a rondar os 77º. Esta combinação torna o Vinho do Porto bastante doce, porque os açúcares das uvas não se transformaram completamente em álcool, e mais forte do que um vinho normal – a rondar os 20º de álcool.

O Vinho do Porto, apesar de produzido com uvas do Douro e armazenado nas imensas caves de Vila Nova de Gaia, deve o seu nome à cidade do Porto, a partir de onde foi exportado para todo o mundo, desde o século XVII. De facto, hoje em dia, Pinhão e Régua são as áreas com maior produção de Vinho do Porto.

Assim, este néctar tão português classifica-se em quatro categorias principais: Branco, Ruby, Tawny e, mais recentemente, Rosé. Existem ainda as categorias especiais que podem ser LBV, Reserva, Crusted, Colheita, Vintage ou os Tawnies envelhecidos.

PORTUGAL É A MÃE, GRÃ-BRETANHA O PAI
As relações de Portugal com o Reino Unido foram de grande relevância para a história do Vinho do Porto, desde o século XVII.

Claro que algo tão popular em todo o mundo teria alguma controvérsia associada. Os produtores ingleses de Vinho do Porto, atribuem a sua “descoberta” aos mercadores britânicos, que no século dezassete adicionaram Brandy ao vinho do Douro, para evitar que azedasse. No entanto, este método já era usado na altura dos Descobrimentos, para que o vinho se conservasse entre longas viagens. Não podemos, no entanto, tirar o mérito ao Reino Unido, e ao papel que desempenhou na internacionalização do “Port”.

Para isso, temos de falar do Tratado de Methuen, ou Tratado de Panos e Vinhos, assinado entre Portugal e o Reino Unido em 1703. Este tratado estabelecia que os ingleses teriam direitos preferenciais na compra dos vinhos portugueses, e os portugueses permitiriam a entrada livre de tecidos britânicos no mercado do país. Assim, a região do Douro viu a produção de Vinho do Porto intensificada.

A influência inglesa no comércio de Vinho do Porto pode ser vista, por exemplo, no nome das marcas, que geralmente eram os apelidos das famílias inglesas que exportavam a bebida.

Mas, desengane-se se acha que os ingleses eram os únicos a importar Vinho do Porto para o seu país! Também a Holanda, a Alemanha e a França eram (e são) bastante apreciadores desta bebida alcoólica.

DIA INTERNACIONAL DEDICADO
Para marcar a grande importância deste vinho, o Center for Wine Origins, nos Estados Unidos, criou em 2012 o Dia Internacional do Vinho do Porto.

Este dia é celebrado a 27 de janeiro, desde então.

COMO DEGUSTAR, CONSERVAR E CELEBRAR
Devido às suas características especiais, o Vinho do Porto deve ser conservado seguindo algumas diretrizes: manter-se num local abrigado da luz, seco e fresco mas não frio – com a exceção dos Vinhos do Porto Branco e Rosé. A temperatura ideal para servir varia com o tipo ou categoria do vinho: Rosé a cerca de 4ºC, Branco entre 6 e 10ºC, Ruby entre 12 e 16ºC e Tawny entre 10 e 14ºC.

Quanto à companhia, o Porto Branco pede amêndoas torradas, salmão fumado, ameixas ou tâmaras secas, refeições leves como saladas e peixes gordos, ou ainda água tónica e limão para um cocktail refrescante. Se preferir os Ruby, acompanhe-os com cheesecake, ou queijos de pasta mole e intensidade média. Mas há escolhas para todos os gostos!

Os Tawny emparelham na perfeição com queijos fortes ou patés, frutos secos, doçaria conventual, salada de frutas, leite creme ou tarte de amêndoas, e gelados de baunilha ou frutos secos. Estas sobremesas também combinam bem com os Porto Colheita. Se tem em casa um delicioso Porto LBV, não hesite em combinar com bolo ou mousse de chocolate.

Diríamos que a melhor maneira de celebrar o Dia Internacional do Vinho do Porto será degustar um ou vários tipos, quer seja nas Caves do Vinho do Porto, em casa ou com amigos


Artigo alterado a 9 de março de 2020 por motivos editoriais.

Continuar a Ler