Projeto Camaleão ajuda a conservar espécie camaleão-comum no Algarve

A Associação Vita Nativa está responsável por concretizar o Projeto Camaleão, para contribuir para a conservação dos camaleões do Algarve.

Publicado 22/04/2021, 12:46
O projeto Camaleão foi vencedor do Orçamento Participativo Jovem Portugal e envolve toda a comunidade.

O projeto Camaleão foi vencedor do Orçamento Participativo Jovem Portugal e envolve toda a comunidade.

Fotografia de Joel Sartore, National Geographic Photo Ark

O Projeto Camaleão surgiu como iniciativa vencedora do Orçamento Participativo Jovem Portugal (OP Jovem), do ano de 2019. Com um orçamento de 60.000 euros e a duração de um ano, até 2021, o projeto visa a criação de um Centro de Recuperação e Investigação do Camaleão do Algarve.

A iniciativa tem como objetivos a sensibilização da comunidade sobre a importância da conservação do camaleão-comum, alertar para os fatores de ameaça de forma a minimizá-los e, melhorar o conhecimento sobre a distribuição geográfica e biológica da espécie.

Os benefícios do Projeto Camaleão são claros e assentam no aumento do conhecimento sobre a espécie, no envolvimento da comunidade no estudo da mesma, na diminuição dos fatores externos responsáveis pela sua ameaça, e na criação de um centro pioneiro e único no país, dedicado em exclusivo à conservação do camaleão.

O Projeto Camaleão incide sobre a zona algarvia

Com ações que envolvem a sociedade em geral, os visitantes, os municípios, as escolas e as universidades, numa fase inicial, vai incidir sobre o litoral do Sotavento algarvio, embora a pretensão seja alargar a toda a área de distribuição da espécie.

Assim, as ações do projeto implicam:
- Criação do Centro de Interpretação do Camaleão
– na Quinta de Marim, no Parque Natural da Ria Formosa, em Olhão, promovendo o património natural e a sensibilização ambiental. O centro contempla uma exposição permanente sobre a espécie, uma sala educativa / auditório, um espaço exterior para a realização de atividades e uma loja;
- Desenvolvimento de campanha de sensibilização ambiental – com recurso a placas informativas nas principais praias do Sotavento, campanhas de sensibilização locais e, sinalização preventiva em locais de elevado risco de atropelamento;
- Desenvolvimento de campanha online de ciência cidadã – cuja plataforma online permite que qualquer cidadão faça o registo da sua observação, indicando a data e local onde avistou um camaleão, assim como adicionar possíveis provas fotográficas do momento;
- Promoção de estudos académicos sobre a espécie – através da atribuição de duas bolsas para estudantes do ensino superior, através de estágios e/ou mestrados e, no apoio à concretização do projeto e receção de visitantes ao centro;
- Capacitação do RIAS para a recuperação de camaleões – passando pela construção de um terrário/reptilário e instalação exterior adaptada para a recuperação da espécie, assim como, a aquisição de medicamentos e alimentação para animais internados, no Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens Ria Formosa – RIAS.

As perspetivas futuras

A ideia do Projeto Camaleão, iniciada por um grupo de jovens, arrecadou 319 votos e ficou em terceiro lugar, entre os sete projetos vencedores da edição OP Jovem de 2019. Avança com uma parceria entre as autarquias de Loulé, Faro, Olhão, Tavira, Castro Marim e Vila Real de Santo António.

A Universidade do Algarve e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas também estão envolvidos. As parcerias foram concretizadas com o envolvimento do Instituto Português do Desporto e da Juventude, através da Direção Regional do Algarve.

A equipa do projeto assumiu como metas a aplicação de 100 placas de sensibilização nas praias, o envolvimento de pelo menos dois alunos universitários, a capacitação do RIAS, mais de trinta atividades de sensibilização ambiental em praias e a inauguração do Centro de Interpretação do Camaleão.

As perspetivas para o futuro, a par de uma maior sensibilização ambiental, passam pela continuidade da campanha de ciência cidadã, uma melhoria do conhecimento académico sobre a espécie, medidas de conservação in situ e, a repetição das ações a nível regional.

A Vita Nativa, uma organização portuguesa sem fins lucrativos para a Conservação do Ambiente, tem a responsabilidade de colocar todas as ações propostas em prática, em todo o Sotavento algarvio, sendo esta a única área em Portugal onde ocorre a ameaça de extinção do camaleão-comum ou Chamaeleo chamaeleon.

É na zona mais oriental do Algarve, entre Loulé e Vila Real de Santo António, que as ações vão ser promovidas, contando com a colaboração da população local, numa campanha de sensibilização ambiental abrangente, estendendo-se aos turistas que todos os anos visitam o Algarve e a zona da Ria Formosa.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registrar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados