Quando é que começa o verão? E porque é que cada estação começa duas vezes?

Algumas pessoas medem as alterações sazonais pela posição da Terra em relação ao sol, enquanto que outras usam os ciclos anuais de temperatura. Eis a diferença entre estações astronómicas e meteorológicas.

Por Amy McKeever
Publicado 2/06/2022, 12:17
Verão

Algumas pessoas assinalam o início do verão no dia 1 de junho – uma data baseada nos ciclos anuais de temperatura – ao passo que outras celebram o começo do verão durante o solstício. Nesta imagem, uma multidão reúne-se na praia de Potamos, em Epanomi, uma cidade grega perto de Tessalónica, durante uma vaga de calor primaveril em maio de 2020.

Fotografia por Nicolas Economou, NurPhoto, Getty Images

Todos os anos, os meteorologistas dão as boas-vindas ao verão no primeiro dia de junho – enquanto que outros afirmam que o verão só começa realmente algumas semanas depois, durante o solstício, que acontece nos dias 20, 21 ou 22 de junho. Portanto, quem é que está correto em relação ao início e fim das estações do ano?

A resposta depende do motivo pelo qual estamos a perguntar. As estações são definidas de duas formas: estações astronómicas, que são baseadas na posição da Terra enquanto esta gira em torno do sol, e estações meteorológicas, que são baseadas nos ciclos anuais de temperatura. Ambas dividem o ano em primavera, verão, outono e inverno, mas com datas de início e término ligeiramente diferentes para cada uma. Descubra o que significa tudo isto e como as diferenciar.

Estações astronómicas

Os humanos viraram sempre as suas atenções para os céus para determinar as estações do ano. Na Roma antiga, com a introdução do calendário juliano, foi onde se assinalou oficialmente pela primeira vez estas estações. Naquela época, as estações começavam em dias diferentes dos da era moderna devido às discrepâncias com o calendário gregoriano, que é o calendário usado maioritariamente até hoje. O início de cada estação astronómica é marcado por um equinócio ou solstício.

Os equinócios acontecem quando o dia na Terra está quase dividido ao meio. E acontecem a cada seis meses, na primavera e no outono, quando a órbita da Terra e a sua inclinação axial fazem com que o sol fique diretamente por cima do Equador. Num equinócio, aproximadamente metade do planeta está iluminada, enquanto que a outra metade está na escuridão. À medida que a nova estação avança, a posição do sol continua a mudar – e, dependendo do hemisfério onde vivemos, os dias ficam progressivamente mais longos ou mais curtos até à chegada do solstício.

Os solstícios marcam os dias mais longos e curtos do ano. E também são afetados pela inclinação da Terra e marcam o início do verão e inverno astronómicos. Quando o Hemisfério Norte está inclinado em direção ao sol, fica mais brilhante e parece verão – ao mesmo tempo, o Hemisfério Sul está inclinado para longe do sol, mergulhando esta parte do planeta num inverno escuro.

Contudo, este método de medição das estações do ano apresenta alguns desafios. O ano solar tem aproximadamente 365.2422 dias terrestres, impossibilitando a sincronização perfeita de qualquer calendário com a rotação da Terra em torno do sol. Assim, as estações astronómicas começam todos os anos em dias e horários ligeiramente diferentes, dificultando a manutenção das estatísticas climáticas usadas na agricultura, no comércio e muito mais. É por isso que os meteorologistas e climatologistas viraram as suas atenções para as estações meteorológicas.

Estações meteorológicas

Desde pelo menos o século XVIII que os cientistas tentam melhorar os métodos para prever as estações de crescimento e outros fenómenos climáticos. Com o passar do tempo, este processo deu origem ao conceito das estações meteorológicas, que estão mais alinhadas tanto com as temperaturas anuais como com o calendário civil.

As estações meteorológicas são muito mais simples do que as estações astronómicas – dividem o ano civil em quatro estações que duram exatamente três meses cada e são baseadas no ciclo anual de temperatura. O inverno ocorre durante os três meses mais frios do ano, o verão nos três meses mais quentes e a primavera e o outono marcam os meses de transição.

No Hemisfério Norte, isto significa que a data de início de cada estação é o dia 1 de março (primavera), 1 de junho (verão), 1 de setembro (outono) e 1 de dezembro (inverno). No Hemisfério Sul, as estações estão invertidas; a primavera começa em setembro, o verão em dezembro, o outono em março e o inverno em junho.

A consistência das estações meteorológicas permite aos meteorologistas fazer os complexos cálculos estatísticos necessários para as previsões e comparar as estações entre si. “Lidar com dados que englobam meses completos, em vez de frações de meses, era mais económico e fazia mais sentido”, disse ao Washington Post o climatologista Derek Arndt em 2014. “Organizamos mais as nossas vidas em torno dos meses do que das estações astronómicas, portanto as nossas informações refletem isso.”

Resumindo, qual é o primeiro dia do verão? Não é o dia 1 de junho nem o solstício de verão – são ambos.


Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler

Também lhe poderá interessar

Meio Ambiente
Como a sobrepesca ameaça os oceanos mundiais – e como pode acabar em catástrofe
Meio Ambiente
Estes 6 Números Definem os Desafios Climáticos da Nova Presidência dos EUA
Meio Ambiente
Verão é Sinónimo de Insetos Portadores de Doenças. Eis o que Deve Saber.
Meio Ambiente
As alterações climáticas estão a afetar um bem precioso: o sono
Meio Ambiente
As inundações, explicadas

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados