Viagem e Aventuras

Celebre o Inverno da Mongólia Num Antigo Lago Congelado

As temperaturas brutais fazem parte da atração do Festival de Gelo anual de Khövsgöl.Tuesday, March 19, 2019

Por YULIA DENISYUK
Festivaleiros em trajes tradicionais que representam as vinte e uma regiões diversificadas da Mongólia, ou aimags.

No início de março, viajantes de toda a Mongólia dirigem-se para a zona mais a norte do país, que faz fronteira com a Sibéria russa.

Enfrentando o gelo do inverno – que às vezes cai para temperaturas abaixo dos 14 graus negativos – as multidões reúnem-se no Lago Khövsgöl, para celebrar a estação longa e fria. O maior lago de água doce da Mongólia, o Khövsgöl, pertence ao clube de elite de “lagos antigos” que existe há mais de um milhão de anos (apesar de algumas definições poderem variar).

Esquerda: As temperaturas podem cair abaixo dos 14 graus negativos. Direita: Um folião patina no lago antigo.

Congelado de novembro até maio, o Lago Khövsgöl transforma-se num recreio glacial para o Festival de Gelo anual de Khövsgöl. Durante dois dias, o lago é coberto por uma série de eventos: corridas de cavalos com trenó, sumo no gelo, competições de tiro com arco, jogos de lançamento de ossos, concursos de esculturas no gelo e muito mais – tudo no gelo espesso e escorregadio.

Os festivaleiros vestem trajes tradicionais que representam as vinte e uma regiões diversificadas da Mongólia, ou aimags. Uma cerimónia de queima de fogo homenageia as fortes crenças xamânicas da região e encerra as energéticas celebrações do festival.

COMO CHEGAR

Poupe tempo apanhando um voo de Ulaanbaatar para Murun, a capital da província de Khovsgol. Se estiver com espírito de aventura, faça a viagem de Ulaanbaatar para Murun de autocarro. Durante as 12 horas de viagem poderá apreciar a vasta paisagem rústica da Mongólia.

Em Murun, uma carrinha local ou um táxi levam os viajantes até Hatgal, uma pequena vila na costa do Lago Khövsgöl que serve de ponto de partida para começar a explorar.

Por fim, pode contratar um guia – disponibilizado pelas várias agências de turismo em Ulaanbaatar – para uma viagem privada, desde a capital até ao lago. A parte mais interessante da jornada? Fazer o caminho, através das estepes sinuosas e empoeiradas, numa velha e icónica carrinha soviética UAZ, e passar uma noite com famílias de pastores nómadas.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler