Explore o Mundo com Gordon Ramsay

Um chef, seis destinos deliciosos: dicas de viagem na nova série da National Geographic do aventureiro gastronómico. terça-feira, 23 de julho de 2019

Não é segredo para ninguém que Gordon Ramsay gosta de aventura. Mas até este chef ousado foi além da sua zona de conforto enquanto viajava à procura de inspiração culinária para as filmagens da sua nova série da National Geographic, Gordon Ramsay: Uncharted, que estreia no dia 7 de agosto às 22:10.

O britânico de 52 anos, famoso pelos seus restaurantes galardoados com estrelas Michelin e pelos programas MasterChef, trocou as cozinhas e os estúdios de televisão por “uma oportunidade única na vida para explorar e restabelecer a ligação” com as fontes dos ingredientes. Ramsay acredita na aprendizagem através da execução, e seguiu os conselhos de habitantes locais em expedições por vezes angustiantes – estar perigosamente na encosta de uma montanha, no Peru, para colher um tipo de cato que tem larvas de insetos ricas em proteínas. "Parece uma loucura", diz Ramsay, "mas é o que alguns habitantes locais fazem diariamente".

A desenvoltura e o respeito pelos ingredientes demonstrado pelas pessoas que Ramsay conheceu marcaram-no profundamente. "A comida é o pilar", diz. "A comida dá-nos uma visão real sobre a cultura de um lugar."

O conselho de Ramsay para os viajantes? Seja aventureiro e procure o que realmente define uma cultura. "E afaste-se das ruas principais." Aqui, Ramsay oferece as suas dicas de viagem para cada um dos destinos da série.

Episódio 1: Onde apanhar uma batata perfeita no Peru – 7 de agosto às 22:10
"As grandes altitudes não são brincadeira nenhuma", diz Ramsay. Até o pisco sour, uma bebida à base de aguardente de uva, considerada a bebida nacional do Peru, tem um efeito mais potente nas aldeias do Vale Sagrado. Mas a sua maior descoberta na terra dos Incas? “A incrível diversidade de batatas. São todas únicas e distintas, e são incríveis para cozinhar e comer.” De facto, estima-se que no Peru cresçam cerca de 4.000 tipos de batatas, variando da pálida papa blanca até à papa púrpura. Mas nem tudo o que é suculento tem amido. A carne seca de alpaca, diz Ramsay, é um petisco salgado muito reconfortante.
Chef destacado por Ramsay: Juan Luis Martínez, do Mérito, um restaurante em Lima que adiciona um toque venezuelano aos ingredientes peruanos

Episódio 2: Como ser uma estrela culinária na Nova Zelândia – 14 agosto às 22:10
“O hangi é a minha nova maneira favorita de cozinhar carne”, diz Ramsay. "Cavar um buraco, acender o lume, enterrar a carne e desfrutar de algumas horas de descanso." Este método tradicional Maori de cozinhar sobre pedras aquecidas, enterradas numa espécie de forno num buraco, tem sido transmitido de geração em geração, e o hangi ainda é usado para preparar refeições em ocasiões especiais. Ramsay também fica maravilhado com a forma como os Maori cozinham algas marinhas com criatividade – e como mantêm estas técnicas na sua cultura moderna. A enguia fumada, diz, é um dos melhores petiscos. E não se esqueça de fazer uma degustação de vinhos. "A Nova Zelândia tem alguns dos melhores vinhos locais", diz Ramsay, referindo-se às colheitas das Ilhas do Norte e do Sul – sobretudo o tropical e ácido Sauvignon Blanc de Marlborough.
Chef destacado por Ramsay: Matt Brock, do restaurante Kika, em Wanaka; é um génio com pratos sazonais ao estilo das tapas.

Episódio 3: Porque razão deve enlouquecer com os mercados em Marrocos – 21 agosto às 22:10
Quando pensamos em trufas, provavelmente imaginamos florestas em França ou em Itália. Mas estas iguarias também crescem em Marrocos, diz Ramsay, juntamente com cogumelos morchella, boletos e chanterelles. Dirija-se aos souks (mercados locais) nos bairros antigos das cidades, para comprar laranjas, verduras, carne de camelo, chá, tapetes, candeeiros de latão, cerâmica, joias, tesouros antigos e tudo o que consiga imaginar. "A almedina está cheia de coisas diversas", diz. "Podemos comprar azeitonas incríveis e um tapete no mesmo sítio." Não se esqueça de experimentar a pizza berbere, ou medfouna, massa recheada com carne, cebola e especiarias.
Chef destacado por Ramsay: Meryem Cherkaoui, do restaurante Mes’Lalla, em Marraquexe, especializado em novas interpretações de sabores locais.

Episódio 4: Segredos para comer bolo de banana até cair para o lado no Havai – 28 agosto às 22:10
A melhor forma de começar o dia neste arquipélago do Oceano Pacífico? "Pão de banana", diz Ramsay. “Com café da região, é o pequeno-almoço perfeito.” Embora o café de Kona, na Ilha Havai, seja o centro das atenções, o rico solo vulcânico das ilhas sustenta muitas variedades. Depois das aventuras ao ar livre repletas de cafeína, que podem incluir mergulho e caminhadas, pare para desfrutar de uma refeição. “Os restaurantes à beira da estrada servem algumas das melhores refeições”, afirma Ramsay. A escolha do chef recai sobre o frango huli-huli grelhado, devorado à beira-mar.
Chef destacado por Ramsay: Sheldon Simeon, do restaurante Lineage, em Maui, serve pratos familiares deliciosos.

Episódio 5: Porque razão o Rio Mekong é essencial para o Laos – 4 de setembro às 22:10
Antes do rio Mekong desaguar no Mar do Sul da China, atravessa seis nações, incluindo o Laos. Na sua primeira viagem ao país, Ramsay aprendeu que “o Mekong é a alma da comunidade. O rio não só é uma fonte de comida, como também é uma forma de chegar a todo lado.” De facto, o rio é tão importante que o seu nome em lao pode ser traduzido para “água mãe”. Ao longo das suas margens, encontramos templos históricos e florestas exuberantes – e refrescos tentadores. Mas "não beba os licores artesanais, a não ser que estejam misturados com outras bebidas", aconselha Ramsay. Prove as bananas assadas, que o chef descreve como “simples, deliciosas e um verdadeiro deleite”.
Chef destacado por Ramsay: Seng Luangrath que, com o seu restaurante Thip Khao, levou os sabores do Laos para Washington.

Episódio 6: Onde encontrar espíritos calorosos no Alasca – 11 de setembro às 22:10
Um dos momentos mais memoráveis para Ramsay aconteceu quando visitou uma comunidade Tlingit indígena. Quando o chef entrou num fumeiro familiar, reparou que uma rapariga de 12 anos estava a "entrelaçar com mestria absoluta" os intestinos de uma foca, com 7 metros de comprimento, para serem fumados e depois comidos. "Nós paramos no tempo e só pensamos, uau", diz Ramsay. "É assim que estas pessoas vão continuar a sobreviver aos invernos brutais." Mas para encontrar pratos locais que exijam um paladar menos aventureiro, Ramsay recomenda o salmão e o gin do Alasca, da Destilaria Amalga de Juneau, que tem uma sala de degustação muito animada. Os donos colhem eles próprios muitos dos ingredientes. "Obrigatório!"
Chef destacado por Ramsay: Beau Schooler, do restaurante In Bocca Al Lupo, em Juneau, serve pastas e pizzas caseiras.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler