Aventuras Incríveis Numa Ilha Dominada Pela Natureza

Descubra o lado selvagem de Dominica, desde caminhadas em torno de um lago borbulhante a mergulhos com cachalotes.

Wednesday, March 4, 2020,
Por Gina DeCaprio Vercesi
Em Dominica, os amantes de vida selvagem podem nadar ao lado de cachalotes, mas apenas com ...
Em Dominica, os amantes de vida selvagem podem nadar ao lado de cachalotes, mas apenas com um operador turístico credenciado que siga os rigorosos protocolos de bem-estar animal.
Fotografia de FRANCO BANFI, WWW.WILDLIFEPHOTOTOURS.CH, PICTURE TAKEN UNDER LICENSE N. RP 17 – 01/02 FIS-4

A natureza dita o quotidiano na Dominica – sobretudo para os viajantes que procuram aventura. Com florestas tropicais montanhosas, praias de areia negra e reinos subaquáticos impressionantes, esta nação insular localizada entre Guadalupe e Martinica emergiu como um dos principais destinos mundiais de ecoturismo.

Não espere encontrar aqui a típica cena turística das Caraíbas, pois Dominica resistiu aos encantos do mercado de massas que define as ilhas vizinhas mais desenvolvidas. Algumas das experiências, como mergulhar com os cachalotes aqui residentes, são propositadamente pouco frequentes. Para salvaguardar o bem-estar das baleias, são concedidas anualmente poucas licenças aos operadores turísticos credenciados, como a Wildlife Photo Tours, que deve seguir normas muito rigorosas.

A ilha recuperou de forma notável do furacão Maria de 2017, e este é um excelente momento para desfrutar de experiências diferentes, incluindo pesca de espécies invasoras, caminhadas até uma fonte termal e canionismo por desfiladeiros profundos.

Descubra como Dominca pode ser o primeiro país “à prova de furacões”.

Eis como explorar uma terra onde a natureza domina.

Caminhe até um lago borbulhante
Existem inúmeros trilhos que atravessam o terreno montanhoso de Dominica, seja junto às falésias com vista para as praias de areia negra, ou serpenteando por uma selva exuberante. Algumas das rotas, como o caminho para a Emerald Pool, ou o trilho Syndicate Nature Trail, são imediatamente gratificantes com as suas quedas de água em cascata e vislumbres de papagaios, ao passo que o trilho de 185 km Waitukubuli National Trail – o mais longo das Caraíbas - revela a sua magia mais lentamente.

Mas a caminhada até ao Lago Borbulhante, uma fumarola inundada que fica no coração da floresta, é a mais icónica de Dominica. Esta caminhada de 6 horas (ida e volta) passa pelo Parque Nacional Morne Trois Pitons e por uma paisagem alienígena, com aberturas de vapor, potes de barro e fontes de enxofre, que é conhecida pelo nome de Vale da Desolação.

Um caminhante num dos trilhos do Parque Nacional Morne Trois Pitons, Património Mundial da UNESCO, a caminho do Lago Borbulhante.
Fotografia de HEMIS, ALAMY STOCK PHOTO

Faça rapel num desfiladeiro
Todos os anos, Dominica recebe mais de 7 metros de chuva – ou sol líquido, como os habitantes locais lhe chamam – e ao longo de milénios formaram-se desfiladeiros profundos que ocultam quedas de água e rios. Semelhante a um parque aquático natural, a topografia daqui resultante é ideal para a prática de canionismo – uma mistura emocionante de caminhada, escalada, rapel e natação.

Os desfiladeiros estão repletos de rampas de pedra, com bromélias e ervas a brotar nas fendas das rochas cobertas de musgo que ladeiam os lagos de água cristalina bem abaixo. Aventure-se com a Extreme Dominica, que oferece excursões para iniciantes. Depois de molhar os pés nos desfiladeiros mais pequenos, experimente um rapel de 80 metros nas Cataratas de Trafalgar, ou opte por uma aventura noturna com uma lanterna na cabeça.

Apanhe o jantar
O peixe-leão, nativo do Indo-Pacífico, é uma espécie invasora nas Caraíbas, onde se alimenta vorazmente sem predadores – isto se excluirmos os humanos com fome. Na ponta sudoeste de Dominica, Simon Walsh, da Nature Island Dive, ensina técnicas de pesca com lança aos entusiastas de mergulho, antes de chefiar missões de caça ao peixe-leão em alguns dos melhores locais de mergulho da ilha.

Um destes locais de mergulho fica na Reserva Marinha Soufrière-Scott’s Head, uma cratera vulcânica submersa. Aqui, as formações de corais e rochas criam uma zona subaquática que sustenta a proliferação de criaturas coloridas. O acesso fácil a partir da costa significa que os praticantes de snorkel também podem apreciar o cenário subaquático da Baía de Soufrière.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler