Cevide, a Localidade Mais Setentrional de Portugal

Cevide é o ponto mais a Norte de Portugal, no concelho de Melgaço. É a aldeia que acolhe o marco da fronteira n.º 1 com Espanha, entre as margens do rio Minho e do rio Trancoso.

Tuesday, November 10, 2020,
Por National Geographic
Passadiço de acesso ao marco de fronteira nº 1.

Passadiço de acesso ao marco de fronteira nº 1.

Fotografia de Município de Melgaço

A aldeia de Cevide situa-se no concelho de Melgaço e conta com menos de meia dúzia de habitantes. Tem aos seus pés o Rio Trancoso e, como vizinha, a Galiza. É uma localidade geralmente deixada de fora dos roteiros turísticos, mas que acarreta um grande significado, ou não fosse aqui o início de Portugal.

O Rio Trancoso nasce na Portelinha, perto de Castro Laboreiro e estende-se por 13,6 quilómetros, definindo na sua grande maioria a fronteira entre Portugal e Espanha. É uma região pouco povoada e, por isso, com muita qualidade ecológica, boa conservação das ribeiras e das suas margens.

Pelo seu estado de conservação, existe um plano hidrológico conjunto de Portugal e Espanha para classificar a zona como Reserva Natural Fluvial Internacional. O município espanhol de Padrenda já se adiantou e reconheceu o potencial paisagístico como “Río Toncoso ou Barxas”. Na margem do rio criaram uma ecovia de poucos quilómetros, vedada em madeira, que acompanha o seu percurso.

O marco n.º 1 de Portugal
No ponto mais a Norte do país, encontram-se paisagens deslumbrantes, que se conjugam e alternam consoante as estações do ano. Neste marco, onde se começa a ouvir a língua de Camões, existe uma pedra com um grande cariz histórico.

Em Cevide observa-se uma placa com indicação para um caminho estreito, utilizado no passado para aceder ao Porto de Bregote, onde se podia fazer a travessia do rio Minho, entre os dois lados da fronteira. Esse caminho, designado localmente por caneja, conduzia à passagem a que recorria não só a população em geral, mas também os contrabandistas, tornando-o uma das rotas locais de tráfico. Chegando a Cevide, a placa indica a freguesia de Cristoval, em Melgaço, como lugar mais a Norte de Portugal.

Para chegar ao marco basta seguir o caminho à frente do largo da aldeia.

Fotografia de Município de Melgaço

A capela de Cevide
Neste recanto, gabam-se os locais que se ouvem cantar os galos de três províncias: do Minho, de Pontevedra e de Ourense. A construção da aldeia é envolta em misticismo e as edificações são escassas, sendo preenchida por alguns terrenos cultivados e uma imensidão de árvores.

Em Cevide é possível visitar uma capela dedicada a Santo António que remonta, pelo menos, ao século XVIII, embora o ano indicado no seu exterior registe o ano de 1937, correspondendo ao ano em que foi reconstruída.

No interior da capela, que prima pela simplicidade, pode observar-se um altar de madeira, pintado de tons claros e com alguns ornamentos dourados. A ara maciça, em granito claro, está encostada ao altar, um facto que não é muito comum atualmente. Tal pode explicar o motivo de, até 1969, as missas serem celebradas pelo Missal Romano e a posição mais comum do sacerdote ser de costas voltadas para o povo.

A terra raiana
Cevide contava com bastante movimento. Tal como acontecia em outras localidades raianas, o contrabando de bens e pessoas era uma das principais fontes de rendimento e fazia-se nos dois sentidos.

Hoje, a localidade tem um registo pacato, entre cobertores de folhas, caminhos ladeados por muros de pedra e vegetação densa. Aqui desaguam as águas do rio Minho, onde surgiu recentemente uma praia de areia clara e água translúcida, consequência das chuvas que aumentaram o caudal do rio e arrastaram pedras e areia.

O Rio Trancoso delimita parte da fronteira entre Portugal e Espanha.

Fotografia de Município de Melgaço

O marco n.º 1 do outro lado da fronteira
A antiga ponte suspensa de madeira que conduzia os transeuntes a terras espanholas foi retirada após ter ficado danificada com o caudal do rio. O Município de Melgaço está a estudar a colocação de uma ponte com todas as condições de segurança necessárias. Em alternativa, pode atravessar-se a ponte internacional para Acivido (Ourense, Espanha), onde se situa o outro marco n.º 1, desta vez com um E inscrito, no lugar de um P.

Neste local encontra-se um painel solar e uma caixa de distribuição, pertencente a um sistema de informação meteorológica. Aqui existe também uma praia e o que resta de uma estrada romana até às primeiras casas da aldeia galega.

O regresso a Cevide
Uma outra ponte possibilita o regresso a Portugal e assinala a linha incorpórea que separa os dois países, terminando junto a um edifício que outrora abrigou a Guarda Fiscal com o posto n.º 451, que hoje é propriedade privada. Na parede da casa observa-se uma imagem rústica de Santo António, esculpida em granito e protegida com gradeamento. O caminho de volta guia até à aldeia e à Quinta da Netinha, uma casa cujo objetivo se destina ao alojamento de turismo rural.

A par deste tipo de desenvolvimento, surge um plano para a construção de uma ciclovia para ligar Melgaço a Cevide. A aldeia já integra a Rede Municipal de Percursos Pedestres e Cicláveis do Município de Melgaço com um percurso que liga Cevide a Lamas de Mouro, já no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Estes projetos reforçam a importância da inclusão de Cevide na rota de uma viagem pelo Minho.

Continuar a Ler