A disseminação global do coronavírus está a afetar os viajantes. Mantenha-se atualizado sobre a explicação científica por trás do surto>>

Fotografias: Escalar o Everest Ao Longo do Tempo

Recordamos os pontos altos e baixos da longa história de escaladas da emblemática montanha.

Por Peter Miller
Obit Edmund Hillary

Os primeiros a chegar ao topo do mundo, Edmund Hillary e Tenzing Norgay não paravam de sorrir em Katmandu, no Nepal, onde posaram com o equipamento de escalada algumas semanas depois da famosa subida.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Edmund Hillary, neozelandês, e Tenzing Norgay, xerpa do Nepal, foram os mais fortes e mais experientes alpinistas por entre neve e gelo na expedição britânica de 1953.

Depois de a primeira equipa ter sido forçada a voltar para trás, Hillary e Tenzing, que constituíam a equipa de apoio, atingiram o cume às 11 h 30 min do dia 29 de maio. Para celebrar, Hillary estendeu a mão a Tenzing para o tradicional aperto de mão, mas Tenzing envolveu Hillary num forte abraço de alegria com palmadas nas costas.

Os alpinistas atravessam a vertiginosa encosta íngreme de Lhotse a mais de 7 mil metros de altitude. Acompanhado pelo Xerpa Nawang, em 1963, Jim Whittaker tornou-se o primeiro americano a alcançar o verdadeiro cume do Monte Evereste, pela agora conhecida rota do Colo Sul.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Ainda a grande distância do cume sul coberto de neve, os membros da Expedição Americana ao Monte Evereste em 1963 atravessam a vertente vertiginosamente inclinada do monte Lhotse vizinho a uma altitude de 7620 metros. Acompanhado pelo xerpa Nawang Gombu, Jim Whittaker tornou-se o primeiro americano a atingir o verdadeiro cume no dia 1 de maio seguindo pela agora conhecida rota do Colo Sul. Três semanas depois, Willi Unsoeld e Tom Hornbein subiram pela trabalhosa Cadeia Ocidental.

Mais de 900 bagageiros atravessam uma única fila de uma ponte de troncos na sua viagem de quase 300 quilómetros até ao Monte Evereste. Os bagageiros carregavam 27 toneladas de suprimentos nas costas no apoio à primeira tentativa americana de atingir o pico, em 1963.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Em preparação para “um pequena guerra contra uma grande montanha”, nas palavras do líder da expedição Norman G. Dyhrenfurth, em fevereiro de 1963, um exército de mais de 900 carregadores atravessa uma ponte feita de troncos de árvores em fila indiana e realiza uma caminhada de 298 quilómetros até ao Monte Everest. Com 27 toneladas de mantimentos às costas em apoio à primeira tentativa americana de chegar ao topo, os carregadores estendiam-se numa fila de 6,4 quilómetros.

Os caminhantes na trilha principal do Monte Evereste, em 1979, passam pela belíssima Ama Dablam, com 6855 metros. A próxima paragem na trilha: o Mosteiro de Tengboche, onde a maioria dos Xerpas e muitos alpinistas param para receber uma bênção do monge superior.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Em 1979, caminhantes no principal trilho do Monte Everest passam pelo deslumbrante monte Ama Dablam, cujo cume se encontra a 6865 metros. Próxima paragem do trilho: Mosteiro Tengboche, onde a maioria dos xerpas e muitos montanhistas param para uma bênção do lama superior.

Feliz por alcançar o pico do Monte Evereste, o alpinista alemão Hubert Hillmaier agita uma bandeira no ar a 14 de outubro de 1978. Engl escalou sem oxigénio engarrafado, seguindo o exemplo de Reinhold Messner e Peter Habeler.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Em júbilo por ter atingido o cume do Monte Evereste, com 8850 metros de altura, o alpinista alemão Hubert Hillmaier agita uma bandeira no ar rarefeito no dia 14 de outubro de 1978. Integrado numa expedição franco-alemã, Hillmaier subiu pela Cadeia Ocidental com os compatriotas Sepp Mack e Hans Engl. Engl fez a escalada sem garrafa de oxigénio, seguindo o exemplo do italiano Reinhold Messner e do austríaco Peter Habeler, que tinham sido os primeiros a fazê-lo, em maio de 1978.

Os membros da Expedição Altitude Everest 2007 atravessam um campo de neve a caminho do lado norte do Monte Evereste. O seu objetivo era refazer o caminho do alpinista britânico George Mallory, que desapareceu no alto do pico em 1924.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Membros da Expedição Altitude Everest 2007 atravessam um campo coberto de neve a caminho da vertente norte do Monte Everest. O objetivo era seguir a mesma rota do alpinista britânico George Mallory, que desapareceu no alto da montanha, em 1924, com a sua parceira Sandy Irvine. Em 2009, Conrad Anker, líder da expedição de 2007, descobriu o corpo de Mallory no Everest a uma altitude de 8230 metros. O corpo de Irvine ainda não foi descoberto. Também ainda não se sabe se Mallory e Irvine atingiram o cume.

Um alpinista atravessa uma ponte de gelo estreita na cascata de gelo Khumbu em 2012. Frequentemente descrita como uma das passagens mais perigosas durante uma escalada da rota padrão na Cordilheira Sudeste, a queda de gelo é uma confusão de blocos de gelo do tamanho de uma casa.

Fotografia de ASSOCIATED PRESS

Um alpinista atravessa uma estreita ponte gelada na Cascata de Gelo de Khumbu, em 2012. Frequentemente descrita como uma das passagens mais perigosas durante a escalada pela rota tradicional da Cadeia Ocidental, a cascata é uma mistura inconstante de blocos de gelo do tamanho de casas no sopé em desintegração do Glaciar Khumbu, não muito longe do acampamento de base do Everest.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registrar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados